Artistas que inspiram

O dom de compartilhar

Conversar com a Ivi Frantz me fez querer entrar num avião e ir direto para Florianópolis em seu ateliê. Deve ser um local maravilhoso, com uma energia incrível e pessoas realmente fascinantes. A Ivi é daquelas pessoas que realmente irão garantir a sobrevivência do patchwork no Brasil. Sua vida gira em torno de ensinar, compartilhar conhecimento e transformar a vida das pessoas com tecido e linha. Ela conheceu o patchwork na Alemanha há mais de trinta anos, mas não era o momento para se aprofundar. “Eu tinha outras coisas na cabeça, outros sonhos. Comecei mesmo a uns 18 anos atrás quando procurei um lazer, um hobby. Aos poucos, eu comecei a achar que o patchwork podia dar um pouco a mais para as pessoas”, conta. Ela ficou fascinada pelas possibilidades e as técnicas mais tradicionais, que exigiam muita atenção ao  projeto e cálculos para garantir a sua execução.

Em pouco tempo ela começou a ensinar, sempre questionando a forma de se fazer e estudando pra encontrar novas maneiras de criar geometrias incríveis e trabalhos surpreendentes. “O patchwork tradicional foi o primeiro que conheci. Sempre gostei muito de fazer bloco e quiltava a mão. Gosto do raciocínio, pegar um projeto pequeno, transformar e criar um novo projeto”, explica Ivi. É exatamente essa paixão que ela possui que irá garantir que o patchwork Brasileiro não perca a sua essência. “Acho que o tradicional deve ser preservado, podemos aprender o contemporâneo, mas tradicional deve ficar. Se você aprende o tradicional conseguirá fazer tudo”, complementa.

Aluna Elis Marina montando o projeto de seu próximo trabalho.

Quem procura o ateliê de Ivi está realmente em busca disso, de aprender a construir o seu projeto, calcular, mudar e criar algo único. “Normalmente minhas alunas fazem a escolha pelo trabalho. Lanço o desafio e elas procuram o projeto que querem fazer e, a partir disso, vamos calculando. Elas decidem o tamanho, quantidade de cores etc”, explica a artista. Ela parece ter o verdadeiro dom para ensinar, pois é só ver o trabalho feita por suas alunas para ver como sua didática é infalível. São pessoas que querem o desafio de fazer mais, de saber que o trabalho que farão será inesquecível. “Quem faz um professor é o aluno. Quanto mais o aluno exige do professor, mais ele vai atrás. E por isso gosto de minhas alunas, pois elas gostam de desafio. Sempre falo, não tem trabalho difícil, tem trabalho trabalhoso”, conta Ivi. E a escolha por trabalhos grandes e desafios tem um motivo, como ela explica, “A peça tem que se envolver com você e você com ela. O incentivo é, quanto maior a peça, maior a paixão que você terá por ela”. Por isso muitas delas trabalham em mais de um projeto ao mesmo tempo, para não enjoar do trabalho.

Mas não precisa se intimidar, pois essas alunas que buscam desafios também criaram uma verdadeira família no ateliê de Ivi. Ela conta que muitas delas estão há mais de 12 anos e o clima durante as aulas é de muita troca e experiências compartilhadas. “Algumas ficam o dia inteiro, fazem almoço, festas. Esse convívio é muito importante”, complementa Ivi. No início do ano muitas pessoas chegam a dormir em seu ateliê, vindas de longe em busca de suas aulas, passam dias em sua companhia costurando. Deve ser um lugar realmente mágico, cheio de fadas e duendes que adoram costurar. Também ficou com vontade de conhecer esse lugar tão especial?!

Aluna Elis Marina, primeiro lugar na categoria Colcha de Gramado.

Já em relação a concursos e festivais, Ivi tem uma posição bem estabelecida sobre o assunto. “Eu nunca participei de concurso, nunca mandei nada para festival. Se eu mandar uma peça pra concorrer eu estou concorrendo com minha aluna. Meu grande prêmio é ver minha aluna ganhar.”, explica. Como não ficar fascinada por uma pessoa dessa?! E suas alunas estão sempre sendo incentivadas a enviar trabalhos para os principais festivais. No Floripa Quilt 2018 quatro delas estão concorrendo. “No ano passado as duas alunas minhas ganharam o primeiro e segundo lugar de colcha em Gramado. É ali que eu vejo que valeu a pena”, conta Ivi.

Aos poucos ela criou essa vida incrível que gera o seu sustento, mas também é exatamente o que sempre sonhou. “Não sou muito ambiciosa dentro do patchwork, adoro o meu canto, gosto de minhas alunas. Gosto dessa vida ‘simplinha’, caseira, aqui do lado, com pessoas incríveis”, explica. E para complementar, ela finaliza a conversa mostrando que realmente faz o que ama. “O patchwork pra mim hoje é tudo, minha paixão meu sustento, minha alegria, minha felicidade, minha realização. Sem patchwork não conseguiria viver. Sou apaixonada pelo patchwork e por ensinar”. Completamente inspirador!

20 Comentários

  • Célia Mesquita

    Já seguia a Ivi pelas redes sociais, até que uma loja da minha cidade, a Art Borda, a trouxe para um curso de 3 dias aqui em Curitiba…. amei… as aulas, a sua didática, a sua pessoa, o seu sorriso… sai encantada… sei muito pouco do Patchwork, mas sei que ela é top nesse assunto!!!’

  • Monize. Rovaron

    Obrigada Estela Nota por nós presentear com esta homenagem a nossa mestra.
    Ela é tudo isso, nos ensina a voar. mesmo que o tempo passe a lembrança de que podemos alçar vôo fica para sempre. Há 16 anos tive o privilégio de ser sua aluna e em tudo que faço até hoje ela está presente.

  • Katia Martinelli

    Realmente um lugar mágico! Um vasto conhecimento, uma leveza no ensinamento,um caráter sem igual! Me sinto privilegiada de ter feito aula com ela, são dias de “pensos” que muda o nosso modo de ver e se apaixonar cada vez mais por a técnica de patchwork! Parabéns pela linda matéria!

  • Ana Andretta

    A Ivi é cativante, daquelas pessoas que você mal conhece e pensa que já está na tua vida há muitos anos, tamanha sintonia com tufo, com todos. É realmente iluminada, tem um dom do ensinamento, da generosidade!!! Sou fã!!!!! ❤️❤️❤️ E a Estela então????? Amei conhecer ❤️

  • Sirley Lisboa Pereira

    Bem…. Ainda não a conheço pessoalmente, nem a sua voz ainda não conheço. Apenas por mensagens. Ouvi a falar dela a mais de um ano. Estava no curso da Fabia Diniz quando umas das alunas comentaram que haviam viajado mais de mil quilômetros para fazer aula com ela. Nesse momento pensei comigo mesma, nossa!! Ela deve ser fera no Pactwork rsrs Nesse momento fui buscar informações e fiquei ansiosa para fazer aula com ela. Nesse momento comecei a bolar de como ir pra Florianópolis fazer aula, no momento pra mim seria impossível pois trabalhava fora, só qd fosse minhas férias. Bem pra resumir um pouco fiquei acompanhado os lugares que ela ia dar o curso, e até que enfim ela vem pra São Paulo em agosto e já estou ansiosa pra conhecer lá…. ahh a empresa que eu trabalhava a 18 anos fez redução de custo e com isso fui desligada, e o primeiro pensamento que veio foi… uauuuu vou fazer o curso sem me preocupar de faltar do trabalho kkkk

    • Estela Mota

      Sirley, a vida conspira ao nosso favor sempre. Saiba que nada é por acaso. E estar com a Ivi será uma experiência única. Nunca mais cortei uma borda sem lembra dos ensinamentos dela. Obrigada pelo seu depoimento.

  • Elizama Rodrigues

    Ivi amada Tenho certeza que um dia irei conhecer seu atelier mágico, onde tudo se transforma em lindos Quilts, sou sua fã, por enquanto virtual , receba meu abraço e admiração. Bjs
    Estela Motta amada , amei a matéria e vou compartilhar ..beijo

  • Janet

    Haaaaa, tô apaixonada pela sua história, seu sentimento em relação a suas alunas. Estou encantada. Um dia vou conhecer seu pedacinho do paraíso. Amo patchwork. Luzes

  • Lia Rosabel

    Depois de conhecê-la eu me encantei pelo método libertador. Sempre que puder, estarei lá no ateliê fazendo uma imersão de estudos.
    E ela previne, não basta assistir as aulas, tem que estudar muito. Adorei… sou curiosa!
    Têm situações em que descobrir o caminho é como um jogo… a gente fica doida enquanto não desvenda!

  • Sônia Goldoni

    Fazer curso com a Ivi é incrivelmente mágico! Aprende-se o patchwork desde sua raiz, com toda a segurança que a capacidade da professora transmite. Isso sem contar com o ótimo astral das aulas, bem como a possibilidades de encontrar pessoas maravilhosas que compartilham a paixão por essa arte.

  • Vanda Cotosck

    Desde que conheci a profa Ivi Frantz entendi claramente o que é saber e ser apaixonada por patchwork. Sou de Belo Horizonte e estou em Floripa pela terceira vez pra beber desse conhecimento. Gratidão……

  • Marisia Machado de Oliveira

    Não consigo nem comentar… tamanha emoção que toma conta de mim qdo penso ou falo com ela… Ela é tudo isto é muito mais….um ser humano ímpar…parceira para todos os momentos. . Simplesmente amo vc Ivi Franz… Obrigadaaaaa por fazer parte da minha vida e dos meus pensamentos….

    • Nathalia Carneiro

      Muito obrigada pelo comentário e a participação. Continue nos acompanhando, são vocês que tornam possível a divulgação de pessoas incríveis como a Ivi! Um grande beijo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *